Projeto Anhuma, do SOS Mater, recebe Selo Ambiental de Guarulhos

Iniciativa reúne temáticas indígena e ambiental, trabalha aspectos culturais e sociais e envolve alunos da Educação Infantil ao Ensino Médio

O Projeto Anhuma, do Colégio Mater Amabilis, foi laureado com o Selo Ambiental do município de Guarulhos, em premiação realizada no teatro do Centro Municipal de Educação Adamastor. O projeto tem como objetivo desenvolver a prática de observação de aves (birdwatching) como uma forma de aproximar os alunos do contato com a natureza, aguçar a percepção sensorial do ambiente que os cerca e conscientizá-los da importância de se preservar e ampliar as áreas verdes da cidade.

Luiz Antonio Gerardi Junior, professor de biologia do colégio e coordenador do Serviço de Orientação (SOS Mater) conta que ele e o professor de geografia, Evanir Penna, queriam fazer algo que envolvesse a observação de pássaros, considerada internacionalmente uma prática de baixo impacto para o meio ambiente, que valoriza o ecossistema local e, ainda, constitui um tipo de turismo que está crescendo muito, ligado à ecologia.

Como os professores também trabalhavam a questão indígena com algumas turmas, tiveram a ideia de juntar as duas vertentes, pois os nomes de vários pássaros têm origem indígena e costumam estar associados a lendas. “A palavra anhuma designa uma ave típica da região de Guarulho que, inclusive, está na bandeira da cidade”, explica o professor.

O projeto envolve diversas séries, desde a Educação Infantil até os alunos do Ensino Médio. Em cada segmento será trabalhado um aspecto, desde a simples observação, passando pela catalogação das espécies utilizando um catálogo da Prefeitura de Guarulhos, até a produção de um catálogo próprio da escola.

Os alunos do sexto ano, por exemplo, vão pesquisar lendas indígenas durante as férias. Em agosto, os estudantes a partir do sétimo começarão a observar, registrar e fotografar as aves em qualquer local da cidade — onde moram, na rua, numa praça ou num parque. “Estamos os orientando para que façam isso com a família, para incentivar pais e filhos a saírem e realizarem atividades juntos”, afirma Girardi.

A partir da seleção de lendas indígenas relacionada às espécies, vão ser formados grupos de contação de história e performances, de modo que os estudantes maiores se apresentarão para os menores, até mesmo para os alunos do Pequeno Príncipe. Além disso, a ideia também é levar esse projeto para outras escolas, apresentando não só os resultados, mas as incentivando a desenvolver as atividades. Uma grande exposição no Mater Amabilis e a publicação do catálogo feito pelos alunos também estão previstas.

“O projeto é muito bonito e completo, pois integra vários aspectos. Na parte pedagógica é trabalhada a questão indígena; na ambiental, o birdwatching; e ainda há a vertente social e cultural expressa nas trocas entre os alunos e nas apresentações, inclusive para outras escolas. Considero que tudo isso foi fundamental para ganharmos o selo ambiental”, declara o professor.

Para ele, só o fato de concorrer ao selo ambiental já é importante para poder mostrar que o projeto existe. “O SOS Mater tem essa preocupação em sair da escola e mostrar para a cidade o que o colégio está fazendo”, diz. “Ganhar, no entanto, teve esse significado especial de reconhecimento e valorização do nosso esforço”.