Projeto Nova Vida ajuda a despertar a consciência socioambiental dos alunos

Mater Amabilis conta com iniciativa para a destinação de resíduos sólidos em parceria com cooperativa de catadores; ação também permite trabalhar a interdisciplinaridade

Para conscientizar alunos e funcionários quanto às questões socioambientais que envolvem a geração e a destinação de resíduos sólidos e inserir a escola no cumprimento das diretrizes nacionais sobre o tema, ajudando a minimizar os impactos ambientais do município de Guarulhos, o Colégio Mater Amabilis desenvolve, desde março de 2017, o projeto Nova Vida.

Luiz Antonio Gerardi Junior, professor de biologia e coordenador dos projetos socioambientais (SOS Mater) do colégio conta que, como o Mater é uma escola associada à Unesco, foram incluídos no projeto alguns Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e, em vez de trabalhar a destinação com empresas, o colégio decidiu potencializar o caráter social da ação e atuar com catadores de rua. Na ocasião, foi feita uma parceria com uma cooperativa que havia acabado de se formar, a Nova Vida, que deu nome à iniciativa.

A participação dos alunos no projeto, sobretudo do Ensino Fundamental II e Ensino Médio, consiste em fiscalizar o descarte dos resíduos todos os dias e fazer sua separação, armazenamento e quantificação semanal. Eles também realizam reuniões periódicas para discutir a cadeia produtiva e as questões sociais que envolvem os catadores e o papel do projeto nos ODS, bem como acompanham as famílias de catadores e promovem campanhas de doação de alimentos. Os alunos da Educação Infantil e Fundamental I também ajudam na separação dos resíduos, sob orientação das professoras. O 5º ano recolhe o material e faz a pesagem, o registro dos dados e os gráficos com os resultados mensais.

Os catadores da cooperativa, por sua vez, recolhem semanalmente os resíduos produzidos por todos os setores do colégio, incluindo o setor de manutenção que também destina embalagens de plástico, papelão, restos de ferragem e materiais de construção e elétrica.

Além da questão ambiental, o Nova Vida também promove a interdisciplinaridade, pois possibilita que professores de diferentes áreas possam colaborar para a formação dos alunos por meio da aplicação dos conhecimentos pertinentes às suas disciplinas. Em matemática, por exemplo, trabalha-se com as unidades de medida de massa, volume e a organização dos resultados em planilhas e gráficos. O Projeto Semente e a disciplina de ética e cidadania tratam das questões socioemocionais e sociais envolvidas no trabalho com os catadores. As disciplinas de biologia e ciências atuam com os aspectos ambientais envolvidos na cadeia dos resíduos sólidos.

“Acreditamos que o Nova Vida promove impactos muito positivos na formação dos alunos, tornando-os cidadãos ambientalmente conscientes e agentes permanentemente atuantes na família e na sociedade”, afirma o professor Gerardi Junior.

Ele alerta que, mesmo durante a quarentena, é importante que a prática da separação de resíduos continue no âmbito familiar. “Temos responsabilidade absoluta sobre os resíduos que geramos e, portanto, sobre a sua destinação adequada. Mais que um exercício de cidadania é um compromisso socioambiental que todos nós precisamos cumprir.”

Sem Comentários

Postar Um Comentário